Grêmio estende tradição copeira, amarra Palmeiras e vai à terceira semi seguida de Libertadores
28/08/2019 09:46 em Novidades

Antes, aquela tensão característica da mão do árbitro no ouvido, no comunicador com a equipe do vídeo. Mas mal soou o apito de Nestor Pitana, o último no Pacaembu, para uma festa azul, preta e branca transbordar o espaço dos visitantes para o gramado.

 

Foram poucos minutos para o Grêmio virar sobre o Palmeiras no início do jogo, na noite de terça-feira, segurar o 2 a 1 e chegar à terceira semifinal consecutiva de Libertadores, a 10ª da história em 19 participações.

 

A tradição copeira, que reverbera ainda mais desde a chegada de Renato Gaúcho, foi estendida para todo o Brasil ver em um varal alviverde. E celebrada em uma vibração fora do comum entre 2,2 mil gremistas e os jogadores, protagonistas do feito.

O grupo se reuniu na frente dos tricolores – alguns pendurados no alambrado – e repeti o coro de "Grêmio, Grêmio" das arquibancadas e "uh, é os guris", bordão já tradicional entre os jovens.

 

- Falei na preleção: o nosso torcedor tem que se sentir muito orgulhoso por tudo que esse grupo vem fazendo nos últimos anos. Nosso grupo é muito unido, fechado. Eu me sinto privilegiado de estar à frente desse grupo - apontou Renato.

 

A descontração de Jean Pyerre, inclusive, tomou conta no fim da partida. Depois do exame antidoping, tremendo de frio, o meia falou que quem "torceu contra" ia ter mais uma oportunidade agora.

 

- Eu fui perguntado por que deveriam acreditar. Eu dei uma resposta, falei que era o Grêmio. Algumas pessoas levaram para outro lado, dizendo que era soberba. A gente sempre acreditou. A vitória do jeito que foi, na luta, na raça. Quem torce contra vai ter que esperar agora e torcer contra de novo - riu o meia.

 
 
COMENTÁRIOS